Acesse nossas Redes Sociais.

m
s

Aliança Soluções

Engana-se quem pensa que as plantas não precisam ser alimentadas. Embora as plantas se comuniquem, elas não são pessoas. Bom, é claro que você não vai dar ração, um prato de arroz e feijão ou uma sopa de letrinhas para seu girassol (por favor, não faça isso). Mas as plantas precisam sim ser alimentadas para crescerem fortes e saudáveis.

Elas precisam de luz solar, água e nutrientes. Nesse post vamos falar sobre este último ponto: os nutrientes. A planta retira do solo os nutrientes necessários para sua sobrevivência. Porém nem sempre o solo é rico em nutrientes. E é por isso que você precisa saber como fertilizar o solo.

Além disso, ele passa por um processo denominado lixiviação. Com a água de chuvas e das regas, uma parte dos minerais e nutrientes da terra é carregada e escoada. Assim, o solo naturalmente vai perdendo sua capacidade de ser fértil.

Provavelmente você já ouviu falar em “adubo”. Adubar a terra nada mais é do que fornecer a “comidinha” que os vegetais precisam. É repor os nutrientes retirados do solo. E existem diferentes opções para você fazer isso.

No mercado, você encontra diferentes opções de fertilizantes para sua planta. Mas, segundo o livro “How to raise a plant and make it love you back”, se você escolher um adubo comercial, o importante mesmo é seguir as instruções do fabricante. Isso pois o fertilizante, se não for colocado da maneira correta, pode prejudicar e até matar sua plantinha. Então, atenção às instruções!

 

Tipos de fertilizantes
Os fertilizantes podem ser divididos em dois grandes grupos principais: os orgânicos e os minerais. Os do primeiro grupo são obtidos a partir de processos naturais, como fermentação ou decomposição, de matéria orgânica – pode ser cascas de alimentos ou esterco de animais, por exemplo. Já os minerais são obtidos de extração mineral, algum processo químico ou são feitos em laboratório.

Por isso, os minerais têm maior concentração de nutrientes, já que geralmente eles são encontrados em sua forma pura. Porém, eles sofrem o processo de lixiviação mais rápido. Ou seja, eles permanecem no solo por menos tempo se comparado aos fertilizantes orgânicos.

Acontece que a adubação orgânica é absorvida de maneira lenta e gradual, enquanto a química é sugada mais rapidamente pelas plantas. Por isso, se o seu solo está com muita deficiência de algum nutriente é recomendado a adubação química: ela terá um efeito mais rápido.

Porém, se o solo tem pequenas alterações ou você quer apenas manter os nutrientes, você pode investir em fertilizantes orgânicos. É uma alternativa mais equilibrada para a terra e suas plantas.

 

Formato dos fertilizantes
Tanto os minerais quanto os orgânicos podem ser encontrados na forma líquida ou em pó. Os orgânicos em forma de pó, farelados ou granulados, são resultado de matéria orgânica decomposta.

Geralmente, é recomendado misturar o fertilizante com a água que será utilizada para as regas. Assim, ele fica mais diluído e é absorvido mais rapidamente pelas plantas.

 

Quando aplicar fertilizante
Segundo o livro, as plantas devem ser fertilizadas durante a primavera durante a primavera ou verão. Esses são os períodos em que elas estão, de fato, crescendo e se desenvolvendo. Ou seja, é o momento em que elas mais vão precisar de nutrientes.

Adubar no inverno ou outono pode não ser muito eficiente. A planta, por não estar crescendo, pode não precisar desses nutrientes a mais e não irá absorvê-los. Além de ser um desperdício – e pode ser uma perda de dinheiro também – fertilizar demais pode prejudicar as plantas.

Outra recomendação que o livro dá, é aplicar o fertilizante no período da manhã. Assim, a planta terá o resto do dia para absorver os nutrientes e utilizar isso para o processo de fotossíntese, que é realizado pela noite. O período quando o sol está mais forte – 11 até 14 – deve ser evitado.

Em relação a periodicidade depende da espécie da planta e do solo. É necessário você pesquisar quais são os nutrientes específicos que a espécie precisa e de quanto em quanto tempo ela precisa de adubação. Cada espécie é diferente e tem necessidades diferentes também.

Mas você pode ficar de olho em alguns sinais. Por exemplo, se o crescimento da planta estiver muito lento, ela não florescer mais, os caules estiverem fracos e debilitados ou as folhas caírem com muita facilidade pode ser a hora de fertilizar. Fique sempre de olho nos sinais que a planta dá!

Não esqueça também se saber o tipo de solo em que sua planta está. Isso pode interferir nos nutrientes de que precisará.

 

Fertilizante demais faz mal!
Se você pensa que colocar bastante fertilizante vai ajudar sua plantinha, está bem enganado. Nesse caso, o ditado “tudo em excesso faz mal” é real. Não é indicado colocar muito fertilizante, principalmente o químico, na sua planta.

Você deve seguir exatamente as instruções do fabricante. Se estiver com dúvida, coloque menos da quantidade indicada. Nunca mais.

Isso pois colocar muito fertilizante pode prejudicar bastante a planta. Em casos mais graves, pode até matá-la. Alguns sinais de que você aplicou em excesso:

  • Manchas marrons nas folhas
  • Muitas folhas secas
  • Folhas com bordas enroladas e murchas
  • Crosta branca na superfície da terra

Esses sinais podem indicar de que a planta está com fertilizante demais. Nesses casos, pare de fertilizar! Se possível, adicione uma nova terra com a que já está no vaso ou jardim. Assim, a quantidade de nutrientes será diluída.

 

Não coloque fertilizante se…
Outra dica que o livro dá é sobre quando não colocar fertilizante nas plantas. Não é recomendado colocar se a planta estiver doente ou com alguma praga ou se a planta estiver dormente.

Nesses casos, o fertilizante pode mais prejudicar do que ajudar.

 

Adubo orgânico
Como falamos, uma maneira de adubar é com material orgânico. Isso pode ser feito com esterco de animais, restos de comida e até outras plantas. Confira alguns materiais que podem servir de adubo.

 

Casca de ovo
A casca de ovo pode ser uma boa fonte de cálcio e potássio para a terra. Para a absorção dos nutrientes ser mais rápida, é recomendável triturar ou moer a casca. Você pode fazer isso com um pilão ou no liquidificador. Basta triturar a casca e espalhar uniformemente pela terra.

 

Casca de banana
Já a casca da banana vai fornecer potássio para suas plantinhas. Você pode tanto colocar a casca diretamente na terra, cortada em pedaços, como fazer um chá e utilizá-lo para regar. Para fazer o chá basta ferver a água com pedaços cortados da casca dentro. Deixe ferver durante 15 minutos. Após o chá esfriar, dilua em dois copos de água e aplique nas plantas.

 

Frutos do mar
Frutos do mar como restos de camarão e casca de siri são boas fontes de nitrogênio e fósforo. Para adubar a terra com frutos do mar você precisa cavar um buraco na terra e colocar todas as cascas e restos nele. Deixe o buraco fechado por 45 dias. Depois disso, você pode utilizar os restos para adubar suas plantas.

 

Peixes
Restos de peixe é outra fonte de fósforo e nitrogênio. Assim como com restos de fruto de mar, é necessário cavar um buraco e deixar os restos lá por 45 dias.

 

Café
O pó de café que sobra todos os dias pode servir de adubo para suas plantas. Você pode simplesmente colocar o pó diretamente na terra, de forma igual em todas as partes.

Mas a melhor forma de utilizar o pó de café é juntar uma boa quantidade e esperar tudo secar bem. Faça um buraco na terra e misture o pó – meia xícara de chá para cada planta – dentro. Após isso, regue a planta. O processo pode ser repetido uma vez por mês apenas.

Seja com fertilizantes minerais ou orgânicos, o importante é você não esquecer de alimentar suas plantinhas!